Lotus 98T Renault

by Gildo Pires

Em 1985, a Lotus voltou às vitórias pela primeira vez desde a morte repentina do fundador da empresa, Colin Chapman, em 1982. A combinação do chassi 97T projetado por Gerard Ducourage, motor Renault twin-turbo e dois pilotos talentosos (Elio de Angelis e Ayrton Senna) resultou em três vitórias no Grande Prêmio naquela temporada. Tudo praticamente permaneceu o mesmo em 1986, com exceção da saída do italiano de Angelis, que foi substituído pelo escocês Johnny Dumfries. A 98T em campo naquele ano não foi, no entanto, uma evolução da máquina da temporada anterior.

A razão para Ducarouge elaborar um novo chassi foi uma mudança nas limitações das células de combustível. O tamanho máximo foi ligeiramente reduzido para diminuir um pouco os turbos que consumiam muita gasolina. O designer francês usou isso para criar um monocoque mais compacto. Pela primeira vez, uma estrutura composta moldada em uma única peça foi usada. A suspensão dianteira de duplo triângulo foi herdada dos carros anteriores com a geometria revisada. Na traseira, um sistema de altura ajustável foi usado para a maioria das corridas. Outra novidade foi a implementação de um câmbio de seis marchas. O pacote aerodinâmico também recebeu alguns ajustes, mas era preciso um olhar atento para distinguir o 98T de seu antecessor imediato.

Em 1985, a Lotus tinha uma posição privilegiada com seu fornecedor de motores, a Renault, em relação ao outro cliente do fabricante francês. Após a saída da equipe Renault Fórmula 1 no final daquele ano, a Lotus era efetivamente a equipe “de fábrica” e recebeu todos os desenvolvimentos mais recentes. A especificação EF15B do motor V6 twin-turbo foi especialmente construída com a eficiência de combustível em mente. No início da temporada, o motor ainda apresentava molas nas válvulas, mas logo depois foi incorporado um sistema de válvulas pneumáticas muito refinado. Embora fosse muito caro, o novo trem de válvulas melhorou muito a confiabilidade do V6. Na qualificação, o motor francês produziu mais de 1150 cv, que foi calibrado para que durante as corridas economizasse combustível.

Senna era o piloto número 1 da equipe, enquanto o jovem e inexperiente Dumfries lutava para se familiarizar com os carros da F1 turboalimentados. O brasileiro imediatamente provou da velocidade bruta do novo 98T em sua corrida de abertura da temporada em casa. Ele qualificou o carro na pole, mas chegou em segundo lugar. O motor Renault claramente não era como os Hondas e TAG-Porsches usados ​​na competição. No GP da Espanha, Senna mais uma vez conquistou a melhor posição de largada. Desta vez, ele conseguiu ficar à frente da concorrência, embora com as margens mais estreitas; ele venceu Nigel Mansell com a Williams-Honda por apenas 0,014s.

Nas quatorze corridas restantes daquela temporada, Senna classificaria o Lotus 98T com motor Renault na pole mais seis vezes. Infelizmente, ele só conseguiu converter isso em uma vitória, em Detroit. O circuito de rua apertado foi gentil com a carga de combustível da Lotus. Com duas vitórias e seis pódios, Senna terminou o ano em quarto lugar no campeonato, com 55 pontos. Seu companheiro de equipe só conseguiu acumular três pontos de um quinto e um sexto lugar. A Lotus terminou em terceiro na tabela de construtores, bem atrás de Williams e McLaren, mas à frente da Ferrari.

De várias maneiras, a temporada de 1986 foi o fim de uma era. A partir de 1987, os carros não exibiriam as cores preta e dourada do John Player Special pela primeira vez em mais de uma década. Com o esquema amarelo e azul do Camel, os carros ainda eram facilmente reconhecíveis. Para o novo 99T, a Team Lotus também trocou de fornecedor de motor. O Honda V6 substituiu os motores antigos da Renault. O 98T deixou as cores JPS e o motor Renault orgulhosos em sua temporada final. Com um motor mais econômico, o chassi poderia ser ainda mais bem-sucedido.

Chassi: 98T – 3

O terceiro dos quatro Lotus 98T produzidos para a temporada de 1986, este carro foi pilotado exclusivamente por Ayrton Senna. Ele marcou as duas vitórias daquele ano, na Espanha e nos Estados Unidos, com este chassi e também o colocou na pole cinco vezes e subiu mais três vezes no pódio. depois de um acidente em u treino, foi posto de lado. Agora totalmente reparado e restaurado, em plena ordem de marcha, é sem dúvida o carro de Fórmula 1 pilotado por Ayrton Senna de maior sucesso em posse dos coloceionadores.

Chassi: 98T – 4

O quarto e último 98T foi colocado em serviço depois que o chassi 3 foi danificado em um acidente num teste. Senna correu com o carro desde o Grande Prêmio da Inglaterra, classificou na pole quatro vezes, mas não conseguiu converter nenhuma delas em uma vitória. Ele chegou mais perto no GP da Hungria inaugural, onde lutou ferozmente com o compatriota Nelson Piquet pela vitória. Nos últimos anos, o chassi 4 foi completamente restaurado pela Dawn Treader Performance no Reino Unido. Para colocar o carro de corrida de alta tecnologia em ordem total, mais de 2.500 horas de homem-hora foram precisava. O resultado final foi apresentado nos Goodwood Festivals of Speed ​​de 2007 e 2008.

Motor
Configuração Renault EF15B 90º V6
Localização Meio, montado longitudinalmente
Bloco e cabeça de liga de construção
Deslocamento 1.493 cc / 91,1 cu in
Furo / Curso 80,1 mm (3,2 pol) / 49,4 mm (1,9 pol)
Valvetrain 4 válvulas / cilindro, DOHC
Acionamento por correia da árvore de cames
Injeção de combustível de alimentação de combustível
Cárter seco de lubrificação
Aspiração Twin Garrett Turbos
Potência 900 cv / 671 kW @ 11.000 rpm
BHP/litro 603 cv/litro

Transmissão
Caixa de velocidades Lotus / Hewland 6 velocidades manual
Tração Tração traseira

Painéis de Kevlar do corpo
Chassis composto de fibra de carbono com monocoque de alumínio em favo de mel
Suspensão (fr/r) braços duplos, molas helicoidais acionadas por haste de tração sobre amortecedores, barra estabilizadora
Pinhão e cremalheira de direção
Freios (fr/r) discos de cerâmica de carbono ventilados

Dimensões
Peso 539 quilos / 1.188 libras
Comprimento / Largura / Altura 4.597 mm (181 pol.) / 2.032 mm (80 pol.) / 1.054 mm (41,5 pol.)
Distância entre eixos / esteira (fr/r) 2.718 mm (107 pol.) / 1.816 mm (71,5 pol.) / 1.619 mm (63,7 pol.)
Tanque de combustível 195 litros (51,5 galões EUA / 42,9 galões imperial)

You may also like

Produção

PRC RACE & TOW
GRAND PRIX SERVICE CONSULTING

COLABORADORES

A opinião dos colunistas não reflete necessariamente a opinião dos editores e/ou das empresas responsáveis por esse projeto.

Nossos colaboradores participam voluntária e gratuitamente desse projeto.

Email: contato@aovolante.tv.br