11ª Le Mans Classic: 800 carros e mais de 235 mil fãs

by Gildo Pires

A 11ª edição do Le Mans Classic entrou para os livros de história e foi uma entrada e tanto!
O espetáculo de 4 dias contou com mais de 235.000 espectadores, enquanto cerca de 900 pilotos pilotaram 800 carros de corrida no lendário Circuito de la Sarthe.
Claro, a magnitude do evento pode ser creditada à celebração do Centenário de Le Mans, que começou no início de junho e culminou nesta extravagância bienal organizada por Peter Auto e o ACO.
Resumindo, a festa foi assim:

Grupo 1

Um evento dominado por Gareth Burnett e Michael Birch em seu Talbot AV105 1937 #2.
Os dois pilotos nunca deixaram a vitória cair em outras mãos, conquistando o primeiro lugar nas três baterias. Uma performance única para esta edição do Le Mans Classic. 
Cada corrida foi vencida por uma diferença de mais de 20 segundos. 
Na primeira corrida, no sábado, foi o BMW 328 Roadster nº 54 1939 de Albert Otten que terminou em segundo lugar, mas foi o Talbot AV105 nº 15 1934 compartilhado por Max Sowerby, Daniel Balfour e Gareth Burnett que recuperou essa posição na noite de domingo e novamente pela manhã. Esta última corrida foi animada desde o início por uma bela batalha entre este Talbot AV105 1934 #15 e o Aston Martin Speed ​​Model 1939 #40 de Stephen Skipworth e James Dean.

Grupo 2

Composto por carros que participaram das 24 Horas de Le Mans entre 1949 e 1956, o segundo grupo foi palco de uma grande batalha entre as montadoras britânicas, com Jaguar, Cooper e Aston Martin participando. 
Foi um Jaguar que saiu vitorioso. O D-Type nº 16 de 1954 de Niklas e Lukas Halusa foi o mais consistente, com vitória na primeira corrida, um segundo lugar bem controlado durante a noite e uma vitória final muito disputada no domingo. 
Os dois irmãos Halusa venceram à frente do Cooper T38 # 2 de 1955 de Frederic Wakeman e Patrick Blakeney-Edwards por uma margem de 130 milésimos de segundos sobre a linha na hora do almoço de domingo. 
Foi uma batalha emocionante entre os dois carros, com a liderança sendo trocada várias vezes. 
Os dois carros nunca estiveram a mais de dez metros um do outro, e os pilotos até jogaram com o vácuo na reta Mulsanne.

Grupo 3

Nas 24 Horas de Le Mans, o final dos anos 50 (que este grupo representa) viu uma rivalidade entre Ferrari e Jaguar. 
Como homenagem à história, este duelo voltou às pistas. 
Andy Wallace usou todas as suas habilidades de direção para vencer as duas primeiras corridas. Wallace, que participou de 21 corridas – incluindo uma vitória em sua estreia em 1988 em um Jaguar XJR-9 LM – foi quase impecável no #49 1957 Jaguar D-Type. 
Ele foi derrotado por vários Ferrari 250 GT SWBs e, em particular, o # 65 1959 Lister Jaguar Costin na corrida final. 
Foi Emanuele Pirro, pentacampeão em Le Mans, quem o enfrentou e venceu a última corrida. 
A única Ferrari 250 GT SWB Breadvan de 1962, com seu notável design de Giotto Bizzarrini, também estava em exibição.

Grupo 4

Construído para altas velocidades e projetado para responder em todas as condições, o Ford GT40 dominou as corridas de resistência no final da década de 1960, vencendo quatro corridas consecutivas de Le Mans entre 1966 e 1969. 14 GT40s foram registrados para o Grupo 4, com nada menos que de 10 modelos ocupando as cinco primeiras filas. 
A vitória parecia destinada a Diogo Ferrão, o mais consistente, vencendo duas baterias no #74 1965 GT40. 
Ele só perdeu a primeira corrida ir para Christian Glasel e Seb Perez, também em um GT40 1965. 
Não foi apenas a condução que fez a diferença entre os GT40s. 
Como demonstrado na corrida final, o # 1, compartilhado por James Farley e Eric Van de Poele, estava na liderança e parecia pronto para sua primeira vitória do fim de semana. Mas a porta da esquerda abriu em alta velocidade e o motorista não conseguiu fechá-la, forçando-o de volta aos boxes. O GT40 1965 terminou em 12º.

Grupo 5

Um carro distinto do final dos anos 60 e início dos anos 70, o Lola T70 venceu em Daytona e Watkins Glen, mas nunca conseguiu brilhar nas 24 Horas de Le Mans. 
No Grupo 5, este modelo esteve bem representado e voltou a ser a referência… com três vitórias em três corridas. 
Tal como nas edições anteriores do Le Mans Classic, onde os T70s foram frequentemente vistos na frente do pelotão, o Mk.3B #18 de 1968 de Steve Brooks e os Mk.3Bs #63 (David e Olivier Hart) e #64 de 1969 ( Oliver Bryant) estavam entre os principais candidatos. Foi o #63 que mais se destacou com duas vitórias, e vantagem suficiente para conquistar a classificação geral. 
O domínio dos T70s não ofuscou a ampla gama de inscritos no Grupo 5.
O Ford GT40 #65 1965 de Hans Hugenholtz e Emanuele Pirro terminou em quarto lugar na primeira corrida, enquanto o Sr. John of B e Soheil Ayari terminaram em terceiro no Ligier JS3 # 24 de 1971. Finalmente, o # 57 1971 Chevron B19 de Nelson e Christian Vaglio-Giors terminou em sexto na corrida final.

Grupo 6

Tal como aconteceu com os Ford GT40s no Grupo 4, os Lolas pareciam imbatíveis antes do início desta série de corridas dedicadas aos carros do período 1972-1981. 
Cinco tipos de Lola T286, T292 ou T298 ocuparam as seis primeiras posições no grid de largada. 
A primeira corrida foi um verdadeiro “passeio” do # 50 1976 Lola T286 de Maxime Guenat. Mas nas primeiras horas da manhã, Yves Scemama foi para a ponta e venceu no #17 1976 TOJ SC304, com uma vantagem confortável construída ao longo dos 40 minutos de corrida. 
Na última largada, a pressão estava alta. Ele poderia manter seu ímpeto na frente dos Lolas? Sim. Yves Scemama, ao volante do TOJ com a sua assinatura dourada, estava à beira de mais um sucesso. 
Mas um problema técnico o obrigou a desacelerar…
Ele então caiu na classificação.

A 12ª edição do Le Mans Classic está marcada para 26 a 30 de junho de 2025.

You may also like

Produção

PRC RACE & TOW
GRAND PRIX SERVICE CONSULTING

COLABORADORES

A opinião dos colunistas não reflete necessariamente a opinião dos editores e/ou das empresas responsáveis por esse projeto.

Nossos colaboradores participam voluntária e gratuitamente desse projeto.

Email: contato@aovolante.tv.br