Maserati Granturismo Folgore

Maserati Granturismo Folgore

A Motor Valley finalmente produziu um carro elétrico… ou “desfibrilou” um de volta à vida?

O Maserati GranTurismo foi renascido na forma do Folgore, com mais de 750 hp, mas surpreendentemente a potência está longe de ser a coisa mais notável sobre ele.

A Maserati venceu a Ferrari, Lamborghini e Pagani no segmento EV, este cupê elétrico de duas portas e quatro lugares não tem rivais diretos. O Porsche Taycan e o Audi e-Tron têm quatro portas, e tudo o mais no mercado é um sedã ou um SUV.

Ou custa sete dígitos.

As surpresas não param por aí. Um tempo de abaixo de três segundos para alcançar 100 km/h e velocidade máxima de quase 321,8 km/h; um interior muito mais luxuoso e espaçoso do que o antigo V8, resultando em algo mais próximo de um supercarro do dia a dia do que de um grand touring.

Está disponível com motores a gasolina, usando essencialmente o mesmo chassi, de modo que a bateria do Folgore foi inventivamente embalada para caber em espaços também compatíveis com um motor convencionale sem comprometer o comportamento no asfalto e a posição de condução. O posicionamento do peso extra do EV (cerca de 450 kg a mais do que um modelo de combustão) está localizado principalmente em torno do centro de rolagem, para beneficiar a dirigibilidade.

Três motores alimentam o Folgore: um na frente com diferencial aberto nas rodas e dois na parte traseira. Individualmente, eles produzem 402 hp. Você nunca obterá o potencial total combinado, mas o benefício é que esses motores de alta potência permitem uma enorme capacidade de vetorização de torque no eixo traseiro. Isso também significa muito torque em baixa velocidade e 2,7 segundos para chegar aos 100 km/h, e é implacável até os 200 km/h que conseguimos atingir na reta relativamente curta do Autodromo di Modena. A entrega de energia é agradavelmente refinada, não estalando o pescoço como um Tesla, um “megawatt progressivo”, que parece elástico em vez de explosivo.

Para um carro com tração nas quatro rodas, parece notavelmente tridimensional, com uma frente frontal tenaz e uma traseira divertida. Você pode tomar muitas “liberdades” com a velocidade de entrada em curva e depois, dependendo do modo de condução, moldar o ângulo do GranTurismo na saída como quiser, de forma “limpa e arrumadinha”, nada escandaloso.

“GT” é o modo mais bloqueado. A potência é limitada a 80 por cento e conforme você se aproxima do limite (ou tenta passar por ele), o carro alcança sua aceleração máxima cedo, enquanto a vetorização de torque traseiro trabalha para manter a tração.

“Corsa” é o modo que lhe dá mais controle e permite bastante sobreviragem. Em uma pista escorregadia, essa mudança na aderência é altamente percebida entre os modos. De repente, há derrapagens, quase “sob demanda”. Mas como o asfalto seca ao sol, a traseira precisa de mais provocação para desgrudar. De qualquer forma, é amigável e previsível: quanto mais confiante você atacar, mais ângulo ele permite que você tenha de sáida, e reduz os slides ao desviar a força para a frente.

Um programa especial, o “Drift”, promete um enorme “hooliganismo sem cair de um penhasco”, em termos de assistência ao motorista. Não é um modo para “super-herói”, fazendo a potência ser enviada para trás e a vetorização de torque “incentivando” o deslizamento lateral, mas, no final das contas, você fica no controle. Mesmo que o carro esteja, sem dúvida, ajustando as coisas aqui e ali naquele momento entre a tração e a frenagem traseira (e o motorista precisando controlar a derrapagem para a direçao oposta), você não consegue realmente sentir isso funcionando.

Mas é preciso “voltar à Terra” e controlar o “modo ansiedade”, considerando os setups da potência do motor e até mesmo a frenagem regenerativa, . Isso pode recuperar até 400 kW, mais energia do que você obteria de um carregador rápido, apesar da arquitetura de 800 volts do carro.

O maior elogio que posso fazer ao GranTurismo Folgore é que todos comentam não perceber que é “um elétrico”.

O som simulado do motor desempenha um truque muito inteligente aqui, está vinculado à sua velocidade na estrada, mas não soa muito sintético. Também existem outros prompts: a baixa posição do assento, o rolamento suave mas controlado da carroceria, até mesmo a entrega de potência progressiva. Pode ser mais pesado que o carro a combustão, mas o Folgore tem uma melhor distribuição de peso e uma carroceria mais rígida graças ao reforço adicional.

O resultado é uma experiência de direção ordenada e cheia de personalidade.


O preço de 200 mil libras é alto, refletindo a posição no mercado que a Maserati está almejando. Não podemos mostrar o interior até que seja oficialmente revelado, mas parece estar muito à frente do antigo GT e está de acordo com o preço. Respeito é devido para a Maserati por tomar uma decisão complicada, lançando-o antes de seus rivais, projetado para acomodar gasolina e elétricidade e potencialmente arriscando seu legado.

Mas com base nesse impulso inicial e o apresentado até agora, é uma aposta que valeu a pena.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *