/* ]]> */

Rondeau M379 – do fundo do quintal para o pódio em Le Mans

24 horas de Le Mans é uma das corridas de maior prestígio do mundo e muitos sonham em vencer ou mesmo apenas participar dela. Um piloto cumpriu seu objetivo ao longo da vida de vencer Le Mans, mas de uma forma que ninguém poderia imaginar. Ele construiu seu carro de corrida em seu próprio quintal!
Esta é a história de Jean Rondeau e seu carro de corrida, o Rondeau M379.

Jean Rondeau com sua imagem M379 C (Car Trotthle)

Ele nasceu em Le Mans.

Era morador de Le Mans.

Cresceu olhando os carros de corrida passando pela reta Mulsanne. Participou da Fórmula Renault brevemente e, em 1970, começou sua carreira naquela pista. Durante a temporada de 1972 a 1975, Rondeau conseguiu dirigir carros de equipes particulares, mas ficou muito desapontado, pois só viu a bandeira quadriculada uma vez em todos esses anos. Embora nunca tenha expressado explicitamente sua insatisfação e desconfiança em relação aos carros de corrida convencionais, seus parentes e amigos concordavam que foi vontade sua construir seu próprio carro.

Inaltera LM (ultimatecarpage.com)

Em 1975, os regulamentos GTP recém-lançados permitiram a produção de carros protótipos relativamente baratos e Rondeau decidiu tirar vantagem dessa mudança de regra. Além disso, Matra e Ligier estavam deixando Le Mans, o que significava que havia mais espaço para novas equipes francesas chamarem a atenção. Rondeau e alguns amigos produziram um esboço do protótipo no outono de 1975, mas ele não foi o único a tirar vantagem. Gerald Walter, um designer da Peugeot, também propôs um carro de corrida GTP 2.7 l “PRV” (Peugeot, Renault, Volvo) V6, enquanto Rondeau planejava equipar seu carro com um 3.0 l Cosworth DFV V8. A ousada decisão de Rondeau de alimentar seu carro com um motor um tanto não confiável e não francês o deixou sem o apoio financeiro de empresas francesas, mas ele acreditava fortemente que carros com motores mais potentes ainda poderiam vencer Le Mans.

Então, iniciou uma campanha de arrecadação de fundos em vez de ganhar ativos financeiros para iniciar seu programa de corridas. A campanha foi um sucesso!

Rondeau e sua equipe conseguiram chamar a atenção de Charles James, CEO da Inaltera, uma fabricante de papéis de parede, e James achou que seria mais eficaz anunciar por meio de patrocínio do que por métodos convencionais.

Inaltera LM (ultimatecarpage.com)

Por meio do financiamento adequado e do alto interesse pela nova equipe francesa, reuniu alguns dos melhores pilotos patrícios da época: Jean-Pierre Beltoise, Henri Pescarolo e Jean-Pierre Jaussaud.

Jaussaud, entrevistado, lembrava: “Com certeza, isso não é algo que você veria acontecendo hoje em dia. Nos primeiros dias do programa, não sabíamos muito sobre o carro. Lembro-me de ter visto um pequeno modelo esculpido em madeira. Com relação ao motor, nos disseram que o carro carregaria um Ford Cosworth. Era um bom motor com certeza, mas sabíamos o quão frágil ele poderia ser por causa de suas vibrações. As coisas correram bem e, logo, pude testar o carro. Foi bem projetado e nunca pareceu perigoso de dirigir.”

Inaltera LM (ultimatecarpage.com)

O novo carro chamado Inaltera LM foi construído do zero em apenas 8 meses!

Rondeau construiu um chassi de estrutura de aço em torno do motor e encomendou a carroceria a uma empresa de design francesa chamada “Bureau de Design Ovale”. O carro tinha uma suspensão triangular dupla e características aerodinâmicas como carroceria esguia e duas “nadadeiras de cauda” altas. Como Jaussad lembrou, o carro era muito estável em altas velocidades e bem equilibrado. O carro de Beltoise e Pescarolo terminou em 8º em Le Mans, vencendo a classe GTP em 1976. Seu concorrente, um Peugeot, não terminou a corrida. Em 1977, os resultados foram ainda melhores, com Jean Ragnotti e o próprio Rondeau terminando em 4º no geral e vencendo mais uma vez a classe GTP.

Tudo parecia perfeito até 1978, quando uma turbulência significativa aconteceu: a Inaltera pôs fim a todo o programa de assistência a Rondeau e vendeu todos os seus ativos. O chassi, os motores e as ferramentas simplesmente “desapareceram no ar” durante a noite, deixando Rondeau sem nada. Embora a razão exata pela qual a Inaltera parou de financiar Rondeau seja desconhecida, já que as vendas da Inaltera aumentaram 40% antes do patrocínio, uma coisa era certa, Rondeau não estava em uma boa situação.

Rondeau M378 (ultimatecarpage.com)

Apesar da situação sombria, Rondeau rapidamente construiu um novo carro para a temporada de 1978 chamado M378. O “M” foi apelidado em homenagem ao trabalho da gerente de relações públicas Majorie Brosse em reunir patrocinadores após o cancelamento abrupto do programa. O M378 era bastante semelhante ao Inaltera LM, pois compartilhava o mesmo Cosworth V8, embora a potência fosse aumentada para 450cv, com chassi e suspensão quase idênticos. A grande diferença era a carroceria, que também foi encomendada à mesma empresa, embora tivesse uma traseira longa, um spoiler diferente e cobriu ligeiramente as rodas traseiras. O carro foi concluído poucos dias antes da qualificação. Embora fosse elegível para competir no recém-iniciado Grupo 6, Rondeau decidiu participar da classe GTP, já que o Grupo 6 estava lotado com equipes de fábrica da Porsche e Renault-Alpine. Apesar das circunstâncias adversas, o M378 terminou em 9º na geral, garantindo assim três vitórias consecutivas na classe GTP.

Brosse lembrou: “Jean e a equipe podiam fazer muito com recursos financeiros limitados. Foi a nossa força. Trabalhamos dia e noite. Além disso, Jean tinha uma personalidade forte e realmente nos convenceu de que um dia poderíamos ganhar Le Mans.”

Jean Rondeau and Marjorie Brosse (courtesy of Mme Brosse)

Apesar das três vitórias absolutas na classe GTP, Rondeau estava em crise financeira.

Todos os projetos foram suspensos até a ITT e vários outros patrocinadores intensificarem sua assistência no início de 1979. As circunstâncias também estavam melhorando, já que a Porsche e a Renault-Alpine se retiraram do Grupo 6, o que significava que havia mais espaço para “corsários” como Rondeau ganharem uma vitória absoluta em Le Mans.

O novo carro chamado M379 teve um chassi totalmente reconstruído e melhores características aerodinâmicas. Também foi construído de acordo com o regulamento do Grupo 6, o que implicava que Rondeau estava buscando a vitória seriamente. Infelizmente, as coisas não correram bem em Le Mans. Embora três M379 tenham entrado na competição, a forte chuva complicou as coisas. Um dos carros rodou e bateu fortemente enquanto até mesmo o carro com os melhores pilotos (Ragnotti, Beltoise e Pescarolo) acabou terminando em 5º na geral, embora tenha conseguido vencer o Grupo 6.

Foi um ano ruim para os protótipos e os Porsche 934 e 935 dominaram a corrida.

Rondeau M379 B Spec (Wikipedia)

Assim, na temporada de 1980, Rondeau voltou com uma versão modificada do M379, o M379 B Spec. O M379 B teve algumas alterações aerodinâmicas menores, adicionando um pequeno winglet às aletas para aumentar a força descendente, e o motor foi rebalanceado por razões de confiabilidade. O carro se saiu bem em um teste de 26 horas no circuito Paul Ricard, o que o deixou pronto para Le Mans. Um total de três M389 B Specs entrou em Le Mans, com um carro GTP apoiado por belgas. As sessões de qualificação estiveram longe da perfeição, já que o carro dirigido por Pescarolo e Ragnotti sofreu rachaduras no cilindro e Rondeau e Jassaud em outro carro quase não conseguiram se classificar devido a falhas eletrônicas. O principal concorrente de Rondeau foi Jacky Ickx e Reinhold Joest, no polêmico 936, também conhecido como “FrankenPorsche”, que foi a única corrida desse Prosche Grupo 6 Porsche.

1980 24 Horas de Le Mans (Porsche)

O início da corrida foi extremamente molhado, o que fez com que os carros ganhassem e perdessem posições rapidamente. Depois que o sol nasceu, o Porsche aproveitou a vantagem e, em poucas voltas, assumiu a liderança. Rondeau também progrediu ao se instalar atrás do Porsche. Felizmente, Ickx quebrou um duto da injeção de combustível, o que lhes custou 14 minutos e também a liderança. No entanto, retornando à pista, com o passar do tempo, o Porsche inevitavelmente recuperaria a liderança. Ickx e Joest não pressionaram muito seu carro, prevendo que a confiabilidade do M379 não duraria muito. Mas o M379 conseguiu segurar o Porsche, e como o carro alemão sofreu com problemas de caixa de câmbio, Rondeau estava mais uma vez na liderança. A última troca de piloto veio com uma hora e meia para o final e Rondeau entregou o carro para Jassaud, que teria que conter Ickx perseguindo-o furiosamente em seu Porsche. Nos últimos 35 minutos de corrida, o “Deus da vitória” mais uma vez ajudou a equipe local com o agravamento da chuva. Jassaud decidiu confiar em seus instintos e continuou nos slicks, enquanto Ickx achou que poderia compensar a diferença trocando para pneus de chuva. A chuva não durou muito, Jassaud conseguiu conter Ickx e conquistou a primeira vitória definitiva em Le Mans.

Rondeau e seus carros continuaram correndo em Le Mans de 1981 também. Embora Rondeau tenha inscrito 5 carros M379 modificados este ano, 3 carros do Grupo 6 se retiraram, enquanto os dois carros GTP terminaram em 2º e 3º, pelo menos mantendo sua vitória na classe GTP. Além disso, um dos pilotos de Rondeau, Jean-Louis Lafosse, perdeu o controle do M379 nos Hunaudières e morreu, o que fez de 1981 um ano ruim para ele. Rondeau lembra “Foi um ano terrível.” Acabara de provar o primeiro fruto do sucesso e recebia uma colher cheia de amargor.

Rondeau M382 (ultimatecarpage.com)

Apesar da temporada malsucedida de 1981, Rondeau e seus carros voltaram não apenas para ganhar a vitória em Le Mans, mas para vencer todo o WEC em 1982. Ele afirmou: “Se pudermos vencer Le Mans, podemos vencer o Campeonato Mundial de Endurance (WEC)”. Rondeau não quer seu um fracasso o impeça de dar um passo à frente.

As regras do WEC também mudaram muito, introduzindo a aerodinâmica do efeito solo, à qual Rondeau respondeu desenvolvendo um novo carro com o apoio oficial da Ford, o M482. No entanto, como o desenvolvimento do carro foi atrasado, ele entrou em competição com o M382, que era uma combinação do M379 B Specs e do M482.

O M482 agora era equipado com o motor DFL mais recente, que estava um pouco abaixo de 4 l. O carro teve uma boa largada, ganhando os 1.000 km de Monza. Mas quando o Porsche estreou seu 956 nos 1.000 km de Silverstone, havia muita competição. Em velocidade bruta, o Porsche foi superior, mas o M482 conseguiu se segurar bem e juntou pontos suficientes para estar na luta pelo Campeonato Mundial. No entanto, a chance dos franceses de vencer foi tirada depois que a Porsche convenceu a FIA a incluir os resultados de um Porsche “corsário” nos 1.000 Km de Nurburgring em sua pontuação. A equipe de Rondeau também sofreu em Le Mans com apenas um M379 também “corsário” e um M382 chegando ao final.

Rondeau M482 GTP (Sotheby’s)

Em 1983, o tão esperado M482 estava finalmente pronto para partir. No entanto, o carro não era confiável e era ainda mais lento do que o M382 pré-existente. Todos os três M482 não conseguiram terminar em Le Mans, colocando a empresa em perigo.

Após dois anos sem resultados tangíveis em Le Mans, Rondeau carecia de recursos para sustentá-lo e à sua empresa. A “Automobiles Rondeau” foi liquidada em 1985, mas ele ainda correu em Le Mans em 1984, terminando em 2º com um 956 e terminando em 17º em um WM Peugeot em 1985.

Amigos e familiares afirmaram que Rondeau estava realmente tendo uma queda de performance após o fracasso da sua companhia. No entanto, ele logo recuperou a esperança e começou a trabalhar em outras áreas também. Embora não estivesse mais construindo protótipos, sua vida de construtor também não acabou. Esteve profundamente envolvido no desenvolvimento do Venturi, que mais tarde correria com seus carros em Le Mans e também esteve envolvido nos protótipos da Lancia para a temporada de 1986.

Acima de tudo, planejava construir carros no Reino Unido. Sua gerente de relações públicas anterior, Marjorie Brosse, afirmou: “Jean era fascinado por esses motoristas britânicos muito jovens e rápidos. Ele queria ajudá-los a progredir para a Fórmula 1. Para esse fim, ele estava definitivamente pensando em produzir Fórmula Ford no Reino Unido algum dia”.

No entanto, Jean Rondeau morreu ainda jovem, aos 39 anos, em 27 de dezembro de 1985, em seu Porsche 944. Ele foi traído por uma cancela de passagem de nível que se abriu para dar passagem a uma ambulância. Rondeau não se apercebeu da situação e aproveitou para passar também. Foi colhido por um comboio expresso tendo morte imediata. Com o piloto morreram também 2 novos projetos seus: a mudança para o campeonato IMSA americano e a construção de um carro de Fórmula 1.

Vitória em 1980 em Le Mans (John Brooks)

Jean Rondeau continua sendo o único homem na história a vencer as 24 Horas de Le Mans em um carro de fabricação independente.

O garoto local que cresceu assistindo carros correndo no La Sarthe finalmente realizou seu sonho de vencê-lo. Embora ele tenha morrido tão jovem, seus carros realmente sobreviveriam sem ele, sendo lembrado como “o último corsário”, que desafiou os poderosos titãs e venceu. Seu esforço inspirou pessoas como Yves Courage e Henri Pescarolo a buscar a vitória em Le Mans com carros construídos em quintais.

Rondeau marcou o fim da era em que os indivíduos podiam simplesmente construir um carro e depois ganhar uma corrida, já que as 24 horas de Le Mans modernas estão repletas de fabricantes ricos.

No entanto, não devemos subestimar o esforço que Rondeau colocou em seus carros, já que ele mesmo construiu e projetou os carros do zero. Foi sua engenhosidade, vontade e paixão flamejante que tornaram isso possível. Embora não tenhamos certeza se veremos um piloto e um construtor como ele novamente, seu espírito continua vivo, motivando jovens pilotos e engenheiros a conquistar uma vitória como ele fez com seu lendário M379.

Descanse em paz, Jean Rondeau.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.