/* ]]> */

O Templo do Brasil

Fala galera do Ao Volante! Tudo beleza?

Interlagos. Quando se fala de Interlagos já se pensa imediatamente em Fórmula 1, José Carlos Pace, Fittipaldis, Fórmula V, Opala Stock Car, traçado antigo, S do Senna, “a chuva vem da represa, amigo!”. O traçado antigo só vi pelas revistas e pela TV lá nos idos do final da década de 80, em alguma transmissão de Fórmula Ford, Fórmula 3, algum Globo Esporte / Esporte Espetacular ou n’algum quadro do ‘Viva a Noite’ do Gugu.

Perdi de ir a Interlagos na Fórmula 1 de 2016: perdi prazo de credenciamento de imprensa. Parabéns pra mim. Mas o traçado novo, inaugurado em 1990, eu já conhecia. Já tinha ido lá creio que uma dúzia de vezes entre 2008 e 2016.

Conheci Interlagos em Julho de 2008, numa prova de Fórmula Truck. Credenciado pelo site AutoDynamics / Revista Super Speed e com uma enorme ajuda do fotógrafo Fábio Davini.

Além de ser minha primeira vez em Interlagos, foi a primeira vez que fotografei a Fórmula Truck.

05/Julho/2008: 31 anos, 20 Kg a menos, nem 10% dos cabelos brancos de hoje, debutando em Interlagos (Foto: Fábio Davini)

Na foto acima, estou “sonado”. Depois de passar a noite sacudindo num ônibus que não lembro se era Cometa ou Penha ou Itapemirim, pegar metrô e ônibus coletivo, lá estava eu, me acertando com a luz local.

Vou ser sincero: não lembro de como foi a entrada na autódromo, como foi a retirada da credencial com o incrível Dinho Leme, nem do briefing com o não menos incrível Carlos Montagner. Meu cérebro escondeu muitas memórias minhas de 2002 a 2017. Lembro que me emocionei, beijei o asfalto em algum ponto da pista. Quis chorar, mas engoli o choro.

Achei impressionante a atmosfera, totalmente diferente da atmosfera do Autódromo de Curitiba, que para mim já era ótima. Aquele ar de local histórico se faz presente em cada metro de pista, zebra, paddock e pit lane.

Felipe Giaffone desce a Junção no warm up de domingo 06/Julho/2008

Um dos muitos sururus da largada .

A grandiosidade de Interlagos, do autódromo José Carlos Pace, deixa a gente mais bobo do que já é.

Para mim, é a melhor pista para fotografar, mesmo que tudo seja longe e tenha muitas subidas e descidas e barrancos. Há muitos cenários que se pode explorar e espero voltar lá um dia. Tomara que não demore muito.

Por hoje é isso, pessoal. Breve, eu volto. Abraço e até lá!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.