/* ]]> */

Ferrari 857 Sport Scaglietti Spyder

Ferrari 857 Sport Scaglietti Spyder

© Wouter Melissen  – Chassis: 0588M

Vamos começar comentado “de dentro para fora”.

Originalmente desenvolvido para o single-seat Ferrari 500 F2, o motor de quatro cilindros projetado por Aurelio Lampredi esteve entre os motores de carros esportivos mais utilizados pela Ferrari durante o início dos anos 1950. Após vários protótipos desenvolvidos pela equipe em 1953, dois motores “de fábrica” foram para a pista em 1954, em um modelo 500 Mondial e um modelo 750 Monza, respectivamente com dois e três litros.

Em busca de ainda mais potência e torque, os engenheiros da Ferrari continuaram o desenvolvimento desse motor. Em 1955, seu deslocamento máximo de pouco mais de 3,4 litros foi alcançado, retrabalhando o bloco de liga leve e aumentando o diametro dos cilindros para 102 mm e 105 mm, respectivamente. Isso gerou quase o dobro da capacidade original do dois litros, que apresentava um diâmetro (90mm) e curso (78mm) mais modestos. O grande “quatro” conseguia, então, o deslocamento desejado de 857,98 cc.

© Wouter Melissen  – Chassis: 0588M

Conhecido como o “Tipo 129”, o motor de especificação de 1955 seguiu o design original de Lampredi, lançado pela primeira vez em 1952. Tanto o bloco quanto o cabeçote foram construídos em liga leve. A cabeça lindamente esculpida apresentava duas árvores de cames no cabeçote e podia acomodar duas vávulas por cilindro. O motor era alimentado por dois enormes carburadores Weber de duplo estágio. Tudo isso ajudou o Tipo 129 a produzir cerca de 280 cv e cerca de 400 Nm de torque.

Acoplado a uma caixa de cinco velocidades, o motor muito alto foi aparafusado num chassi modelo 510, que era praticamente idêntico ao usado para os carros de produção 750 Monza. O quadro foi construído a partir de tubos elípticos e a suspensão era por braços duplos e molas helicoidais na frente, enquanto a traseira usava um eixo DeDion com uma mola de lâmina transversal. Ao contrário dos rivais britânicos, o fabricante italiano optou por manter os tambores hidráulicos testados sobre os freios a disco pioneiros da Jaguar.

© Wouter Melissen  – Chassis: 0588M

Na boa tradição da Ferrari, o novo motor de quatro cilindros recebeu o nome de seu deslocamento unitário.

Então, o carro no qual foi montado passou a ser conhecido como 857 S (de Sport).

Da fábrica da Ferrari, os chassis foram enviados para Sergio Scaglietti em Modena, que até então era responsável por “vestir” quase todos os carros esportivos da Ferrari. O revestimento de alumínio criado pelos trabalhadores qualificados de Scaglietti era semelhante ao do resto da linha, com exceção de duas “bolhas” na tampa do motor, necessárias para limpar as tampas de cames do alto motor.

Especialmente para a equipe de trabalho da Scuderia Ferrari, três exemplares foram produzidos no final de 1955, enquanto um quarto 857 Sport foi vendido diretamente para os Estados Unidos. Os três carros de fábrica foram utilizados apenas brevemente pela fábrica, com uma vitória no Giro di Sicilia em 1956 como o melhor resultado. Em mãos privadas, as quatro máquinas fizeram campanha por muito mais tempo e com considerável sucesso, especialmente nos Estados Unidos. Entre os pilotos notáveis ​​do 857 Sport estavam Phil Hill e Carroll Shelby.

© Wouter Melissen  – Chassis: 0588M

Uma das principais razões pelas quais o 857 Sport foi usado “apenas brevemente” pela escuderia foi o surgimento do modelo 860 Monza. Este usava o mesmo motor Tipo 129, mas agora em combinação com o chassi 520, também usado pelo modelo 290 MM (com motor V-12). Comparado com o design anterior, o novo chassi apresentava reforços tubulares, aproximando-o de um design “spaceframe”. Outra mudança foi a adoção de um câmbio de quatro marchas mais robusto. Apenas três 860 Monzas foram construídos, um dos quais foi posteriormente convertido para a especificação de 290 MM.

Pronto a tempo para a abertura da temporada nas 12 Horas de Sebring, o novo 860 Monza teve uma “estreia de sonho”. Dois carros foram inscritos e Fangio e Castellotti levaram Musso e Schell para uma dobradinha. O carro vencedor foi vendido, mas o outro fez campanha ao lado dos 290 MMs pelo resto do ano. Schell acrescentou mais uma vitória à contagem do 860 Monza ao vencer o GP de Rouen. A temporada de 1956 seria o “canto do cisne” para “as obras” de quatro cilindros, mas o motor viveria por mais um ano num modelo 500 TR (C).

© Wouter Melissen  – Chassis: 0588M

Usados ​​com grande efeito naquele período, os motores de quatro cilindros formaram apenas uma “nota de rodapé” na história da Ferrari, onde o motor V-12 reinou supremo. Quando conduzidos bem, e o mais importante com cuidado, os Ferraris de quatro cilindros eram mais do que páreo para a maioria dos rivais.

No entanto, perder uma marcha e acelerar demais pode ter resultados catastróficos.

Talvez não seja uma coincidência que a maior vitória desse modelo tenha sido marcada pelo sempre delicado Juan Manuel Fangio.

Especificações Técnicas

Motor
Localização Frontal, montado longitudinalmente
Configuração Tipo 129 Reto 4
Bloco e cabeça de liga leve
Deslocamento 3.432 cc / 209,4 cu in
Furo / Curso 102,0 mm (4 pol) / 105,0 mm (4,1 pol)
Compressão 8,5:1
Valvetrain: 2 válvulas / cilindro, DOHC
Alimentação de combustível: 2 Weber 58 DCOA/3 carburadores
Ignição Twin Spark
Cárter seco de lubrificação
Aspiração Natural

Potência 280 cv / 209 kW @ 6.000 rpm
Torque 380 Nm / 280 pés lbs @ 4.000 rpm
BHP/litro 82 cv/litro

Transmissão
4 marchas a frente / 1 marcha aré

Corpo em alumínio Scaglietti
Estrutura tubular de seção elíptica de aço do chassi
Suspensão dianteira com braços duplos, molas helicoidais, amortecedores hidráulicos

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.