/* ]]> */

De Cadenet Lola T380

(ultimatecarpage.com)

Mais conhecido hoje por seu trabalho na televisão, Alain de Cadenet foi mais do que um piloto “corsário” realizado.

Durante a década de 1970, ele foi um elemento fixo em Le Mans com protótipos esportivos que ele mesmo encomendou!

O primeiro foi o Duckhams projetado por Gordon Murray, disputando entre 1972 e 1974, seguido por três outros carros construídos seguindo um projeto (T380) da Lola. O De Cadenet-Lola original foi construído pela própria Lola, enquanto as outras duas “banheiras” esportivas foram construídas por John Thompson, mas seguindo o mesmo projeto.

O projeto da Lola para o novo T380 era totalmente convencional, com um monocoque de alumínio construído para abrigar o já disponível motor Cosworth DFV V8. Na dianteira, a suspensão era de braços duplos, enquanto na traseira uma configuração mais incomum foi usada com molas altas e montantes traseiros controlados por um bloco deslizante. Destinado principalmente para funcionar em Le Mans, o T380 foi equipado com uma carroceria “escorregadia”, que era muito mais redonda e lisa do que os designs usados ​​para os outros carros esportivos da Lola. Uma asa traseira separada foi montada atrás da carroceria traseira. Além do chassi destinado à De Cadenet, o segundo T380 também foi construído pela Lola.

Inscrito pelo próprio De Cadenet e Chris Craft, o De Cadenet Lola T380 fez sua estreia nas 24 Horas de Le Mans de 1975. Eles se qualificaram em sétimo e acabaram ​​em 14º. No inverno seguinte, o carro foi sutilmente revisado com muito trabalho focado na asa traseira, que agora estava montada mais abaixo, como uma extensão da carroceria traseira.

A direção em Le Mans em 1976 foi mais uma vez compartilhada por De Cadenet e Craft, que se qualificaram em 10º, mas com uma volta sete segundos mais rápida do que em 1975. Uma corrida sem problemas terminou com um notável 3º lugar atrás do vitorioso Porsche 936 e um carro irmão do Mirage vencedor de 1975.

(ultimatecarpage.com)

Encorajado pelo grande resultado em 1976, De Cadenet mandou construir um segundo carro com Thompson, para a inscrição de dois carros em Le Mans em 1977. Infelizmente, o carro que ficou em terceiro lugar em 1976 não conseguiu se qualificar, mas o novo De Cadenet Lola, compartilhado por De Cadenet e Craft, impressionou com um quinto lugar.

O T380 original foi vendido no final do ano e outro carro foi construído por Thompson para a própria equipe de De Cadenet. Os três correram em Le Mans, mas apenas o chassi mais recente terminou, mais uma vez conduzido por De Cadenet e Craft, que cruzaram a meta em 15º.

No outono de 1978, De Cadenet trouxe um carro para a América do Norte para a série Can-Am, com um quinto como o melhor resultado.

(ultimatecarpage.com)

Após uma aventura relativamente bem-sucedida na América do Norte, De Cadenet decidiu correr com seus carros com mais frequência e, desde 1979, também competiu em várias rodadas do Campeonato Mundial. Seu melhor resultado naquele ano foi um segundo em Silverstone e o primeiro da classe com François Migault como co-piloto. Houve mais sucesso em 1980, quando De Cadenet e Desiré Wilson venceram os 1.000 Km de Monza e as 6 Horas de Silverstone.

O De Cadenet-Lola continuaria a ser pilotado até na década de 1980 e pelo menos um foi equipado com uma carroceria cupê para transformá-lo em um protótipo do Grupo C.

Com uma carreira de sucesso que abrangia mais de meia dúzia de temporadas, o De Cadenet-Lola certamente se classificaria como um dos grandes carros esportivos da década de 1970, especialmente considerando seu início humilde.

O próprio De Cadenet continuaria a competir em Le Mans até 1986, mas eles nunca mais igualariam o terceiro lugar alcançado com seu próprio carro em 1976. Acredita-se que pelo menos dois dos três De Cadenet-Lola, bem como o T380, sobreviveram.

(ultimatecarpage.com)

Especificamente sobre o chassi HU1/LM-2, ele foi para o primeiro dos dois T380 construídos pela Lola vendido a Alain de Cadenet, que o colocou na pista com o nome de De Cadenet-Lola. Foi o carro utilizado para o 3º lugar em Le Mans em 1976 e continuaria a correr até 1981. Naquele ano fez a sua última aparição em Le Mans com as cores da Dorset Racing com, entre outros, o futuro proprietário da Lola, Martin Birrane, ao volante. Infelizmente, uma falha na carcaça da caixa de câmbio encerrou a corrida mais cedo.

O carro foi inicialmente devolvido à pintura Fisons usada em Le Mans em 1978, mas nos anos seguintes, o chassi HU1/LM-1 foi adquirido por um entusiasta sueco que o restaurou completamente à sua pintura de 1976, sendo pilotado pelo proprietário e Andy Meyrick no 2012 Le Mans Classic.

(ultimatecarpage.com)

Sobre os aspectos técnicos dos carros: motor Ford Cosworth DFV 90º V8, central, montado longitudinalmente, com bloco e cabeçote de alumínio de construção, deslocamento de 2,993cc 4 válvulas por cilindro, DOHC, injeção de combustível Lucas, naturalmente aspirado e potência de 398 hp a 9.500 rpm.

A carroceria era de fibra de vidro, o chassi de alumínio com a suspensão dianteira “double wishbones”, molas helicoidais sobre amortecedores, barra anti-roll e a traseira, invertida fúrcula inferior, links superiores, braços individuais à direita, barra anti-roll. Direção através de pinhão e cremalheira, freios a discos ventilados, versáteis, traseiros internos. Caixa de câmbio Hewland DG 300 de 5 velocidades manual.

O carro pesava 715 libras, o tanque de combustível armazenava 120 litros, as rodas eram 11 x 13/14 na frente e 15 atrás. Os pneus eram 9,5 / 20 x 13 e 13,0 / 24,0 – 15.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.