/* ]]> */

Chaparral 2D Chevrolet

Chaparral 2D Chevrolet

Chaparral 2D (ultimatecarpage.com)

Enquanto ainda competiam com carros com motor dianteiro, Jim Hall e Hap Sharp já estavam com o pensamento mais adiante.

Jim Hall revolucionou a indústria de corrida automobilística, aproveitando o uso de força descendente aerodinâmica para melhorar o desempenho do carro de corrida. O nativo de Abilene (Texas, USA) foi indicado na classe de 1999 do Texas Sports Hall of Fame. Ele e seu parceiro Hap Sharp começaram a Chaparral Cars em Midland durante os anos 1960. Hall sempre se interessou por tudo que era mecânico quando criança e queria saber como tudo funcionava. Ele passava seu tempo livre desmontando coisas e então tinha que descobrir como montá-las novamente. Seu primeiro envolvimento com corridas foi quando ele construiu um “derby racer” com 10 anos de idade.

Seu co-proprietário da Chaparral Cars, Hap Sharp, morava em Midland (Texas, USA) e depois que Jim lhe vendeu um carro de corrida, eles começaram a competir um contra o outro. Depois que Jim se mudou para Midland para trabalhar no setor de petróleo e gás com seus irmãos, ele e Hap perceberam que seria melhor trabalhar juntos do que um contra o outro. Hap era uma das melhores conexões da vida de Jim, “um cara bom e inteligente e bom piloto de corridas”. Eles conversariam e trabalhariam em carros o dia todo, então muitas vezes jantariam juntos. “É sempre bom ter alguém em cujo julgamento você confia para conversar sobre ideias, a combinação geralmente é melhor do que qualquer pessoa sozinha.”

Ao contrário de seu primeiro carro de corrida, o novo projeto seria desenvolvido internamente, construído em sua própria oficina na pista de corrida Rattlesnake, no Texas. No início, ficou claro que um layout com motor central era uma necessidade para acompanhar o automobilismo europeu. A vasta experiência de Hall em competir com uma grande variedade de pilotos deu-lhe uma visão muito útil da construção do chassi. Ele combinou esse conhecimento para projetar um carro de vanguarda.

Muito do trabalho de desenvolvimento no primeiro Chaparral consistiu em fortalecer ainda mais o chassi com suportes cruzados para lidar com a potência adicional. Era perfeitamente possível projetar um quadro forte do zero, mas seria excessivamente complexo, tornando os reparos rápidos no chassi ou no motor quase impossíveis. Um chassi monocoque seria mais adequado, mas ninguém havia tentado construir um carro com motor central com esse layout antes. Aplicado com sucesso em veículos com motor dianteiro (como o Jaguar D-Type), o monocoque geralmente consistia em caixas de metal presas juntas.

Para a construção do chassi, Hall e Sharp contaram com a ajuda do ex-engenheiro aeronáutico Andy Green. Em troca de sua ajuda, Hall financiaria o negócio de veleiros de corrida de Green. Sua vasta experiência com materiais compostos foi vital, pois Hall escolheu a fibra de vidro para a construção de seu chassi. Exceto por Colin Chapman e seu leve Lotus Elite, ninguém foi corajoso o suficiente para usar “plástico” como o material principal do chassi. Hall acreditava que uma estrutura de fibra de vidro seria mais fácil de construir, reparar e adaptar do que um monocoque de alumínio semelhante e também seria forte o suficiente para lidar com motores potentes.

O modelo “2” pesaria 925 quilos, 4,013m de comprimento, 1,72m de largura e somente 1m de altura! A distância entre eixos seria de 2,31m.

Enquanto Hall e Green estavam ocupados projetando e construindo o primeiro carro esportivo monocoque com motor central, Chapman estreou o monocoque Lotus 25 de Fórmula 1, usando alumínio no chassi e fibra de vidro na carroceria.

O desenvolvimento na oficina do Rattlesnake foi lento por causa da agenda lotada de Hall na Fórmula 1, mas o primeiro carro estava pronto para as corridas finais da temporada de 1963. Inspirado no carro-conceito Monza GT da Chevrolet de 1962, Hall primeiro projetou uma carroceria fechada para o “2”, como o carro era conhecido. Por várias razões, esse design foi descartado e substituído por uma carroceria Roadster mais simples. Diferentemente do que haviam pensado, utilizaram uma caixa de câmbio de 6 velocidades.

Embora o chassi fosse altamente avançado, Hall reuniu peças comprovadamente eficientes em competição: uma suspensão dupla simples foi escolhida para a dianteira e, na parte traseira, cada canto consistia de braços com um único link superior e um braço triangular inferior reverso. Discos de freio dimensionados e ventilados foram adotados, proporcionando bastante poder de parada. O Chevrolet V8 foi “transplantado” dos Chaparral com motor dianteiro, mas equipado com quatro carburadores Weber e cabeçotes de compressão mais altos. Foi escolhida uma caixa de quatro marchas Colotti, que já havia provado seu valor nos Lotus e Cooper de motor central.

Chaparral 2D (ultimatecarpage.com)

Poucos meses de trabalho depois, o mundo das corridas deu as boas-vindas ao primeiro esportivo com motor central da dupla Hall e Sharp. Mal completado, o Chaparral 2 estreou no Grande Prêmio Riverside em outubro. Estava equipado com um motor Chevrolet 90º V8, montado longitudinalmente, com bloco e cabeçote de liga de alumínio, deslocamento de 5.356cc, 2 válvulas por cilindro, OHV, carburadores Weber 48 IDM, naturalmente aspirado e potência de 420 hp a 6.800 rpm.

Hall imediatamente ficou impressionado com a conquista da pole position, mas na corrida a falta de desenvolvimento e um incêndio elétrico fizeram com que ele abandonasse a liderança após apenas quatro voltas. Houve mais duas participações em competição daquele Chaparral naquela temporada, com um terceiro lugar como o melhor resultado.

Hall se aposentou da Fórmula 1 e se concentrou totalmente em transformar o Chaparral 2 em um vencedor de corrida.

Durante o inverno, os laços com a General Motors foram fortalecidos e Hall recebeu suporte indireto em troca de auxiliar a equipe de desenvolvimento do fabricante. Impressionado com seu desempenho inicial, o pessoal da GM investigou o Chaparral 2 em detalhes e decidiu construir um modelo próprio, mas usando alumínio. Foi descrito como “um veículo experimental”, uma resposta óbvia ao programa GT40 da Ford. O “Corvette GSIIb” resultante era muito leve, mas de longe não tão rígido quanto o Chaparral.

Uma das características que Hall mais tarde adaptou para os Chaparral foi a caixa de câmbio automática de duas velocidades instalada no GSIIb.

Em março, o Chaparral iniciou seu programa de corrida de 1964 com dois pilotos de trabalho. As mudanças mais óbvias foram a carroceria alisada e o sistema de escapamento redirecionado, que agora consistia em oito saídas apontadas para cima através da carroceria traseira. Depois de terminar em segundo lugar na primeira prova da temporada, Hall conquistou a primeira vitória do “2” na próxima. Este foi o início de uma participação impressionante nas corridas de rua americanas, acumulando vitória após vitória. Enquanto Hall se recuperava de um braço quebrado, Roger Penske somou duas vitórias ao placar da equipe nas importantes corridas de outono, sancionadas pela FIA, em Laguna Seca e na Nassau Speed Week.

Chaparral 2D (ultimatecarpage.com)

Hall e Sharp deram início à temporada de 1965 com uma vitória esmagadora nas prestigiosas 12 Horas de Sebring. Contra os melhores da América e da Europa, o Chaparral conquistou a pole position, a volta mais rápida e a vitória geral, deixando os Ford e as Ferrari bem longe. Foi o início de uma segunda temporada de grande sucesso nas corridas obrigatórias do USRRC e da FIA no continente.

Em outubro, um chassi de alumínio mais convencional foi lançado no modelo 2C (o sufixo B foi omitido para evitar que o 2C fosse confundido com o GSIIb da GM), que de forma familiar obteve a volta mais rápida e a vitória na abertura da temporada.

Em 1966, o USRRC foi substituído pela nova série Can-Am Challenge, que atraiu muito mais atenção europeia. Para as corridas obrigatórias da FIA, a Chaparral desenvolveu o 2D e conseguiu a primeira vitória europeia da empresa nos 1.000 Km em Nürburgring.

Um chassi de alumínio 2C foi usado como base para o modelo aberto 2E Can-Am. Jim Hall continuou a expandir os limites com revoluções aerodinâmicas, mas uma competição mais forte e regulamentos mais rígidos impediram a equipe Chaparral de igualar as impressionantes temporadas de 1964 e 1965.

Chaparral 2D (ultimatecarpage.com)

Com quase duas dezenas de vitórias em duas temporadas, o Chaparral 2 original permaneceu como o mais bem sucedido de todos os carros de Jim Hall. O chassi de compostos foi revolucionário e as vantagens não foram superadas por mais duas décadas, quando as estruturas de composto de carbono estrearam nas corridas de Fórmula 1. Quatro chassis foram construídos, mas apenas três foram usados. Todos os três foram convertidos para as especificações 2D ou 2F e sobrevivem até os dias atuais.

Hoje, os três chassis representam, cada um, uma versão das evoluções da fibra de vidro nos carros de competição.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.